Throes + The Shine: «Ewe» (Lumatera, 2012)

Rock, kuduro e um b-boy num cenário portuense. Ingredientes superiormente misturados pelos Throes, The Shine e pela produtora Lumatera. Já há muito que um vídeo tuga não me deixava tão entusiasmado. Muito bom.

videoclipe.pt

Ora aqui está uma bela (e mui aguardada) notícia: já está em linha a versão beta do videoclipe.pt, uma plataforma Web colaborativa que visa a criação da mais completa base de dados sobre vídeos musicais portugueses (página do facebook acessível aqui). A ideia é excelente, a sua concretização óptima e o projecto terá, estou certo, pernas para atingir rapidamente o seu objectivo. Pela parte que me toca, tenciono contribuir sempre que possível para o crescimento desta base de dados. O portal é mais um dos frutos visíveis do VideoGang, sem dúvida, uma das mais interessantes componentes da Guimarães 2012 Capital Europeia da Cultura.

Palestra no VideoGang

Fui gentilmente convidado pela organização do VideoGang para dar uma palestra numa sessão que terá lugar no próximo dia 6 de Outubro, às 21h30, no Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães. A mesma irá ser subordinada ao título A Convergência Digital dos Vídeos Musicais. Deixo aqui o resumo da mesma e, claro, estão todos convidados. A entrada é livre e emancipada.

A CONVERGÊNCIA DIGITAL DOS VÍDEOS MUSICAIS

JOÃO PEDRO DA COSTA

Devido a uma série de alterações ocorridas nos seus contextos de produção, distribuição e recepção, os vídeos musicais ascenderam ao estatuto de formato mediático mais consumido pelos utilizadores da emergente paisagem mediática digital. Mais que um habitat, a Web e as suas redes sociais tornaram-se num generoso ecossistema dos vídeos musicais, transformando-o num conteúdo cada vez mais acessível, difundido e omnipresente. A importância da videomusicalidade é, de resto, detectável não apenas do ponto de vista quantitativo, mas qualitativo: actualmente, nenhum outro medium possui uma influência tão marcante e visível num número tão vasto de práticas culturais à escala global. Cinema, vídeo, literatura, artes plásticas, política e publicidade – todas estão claramente sob o impacto dos vídeos musicais, mormente nos seus procedimentos técnicos, configurações estéticas, universos visuais e estratégias narrativas. No fundo, os vídeos musicais continuam a fazer o que nunca deixaram de fazer nas últimas décadas: procurar incessantemente por todas as fontes imagináveis de inspiração para criar algo de novo e, desta forma, inspirar-se a si e a outros formatos mediáticos. É neste contexto sociotecnológico que procuraremos abordar alguns tópicos fundamentais do processo de convergência digital da videomusicalidade que irão do legado teórico das reflexões que o vídeo musical suscitou nas últimas três décadas às novas tendências do formato nas plataformas digitais, passando pelo seu enquadramento dentro da fruição multissensorial (e multimediática) do fenómeno musical e pela detecção das hipotéticas características que contribuem, actualmente, para a sua inegável popularidade.

Videogang

É, sem dúvida, uma das ideias mais originais da programação da Guimarães 2012: o Videogang é um programa de incentivo à criação videomusical, com a oferta de oficinas e seminários. As inscrições estão abertas aqui e terminam já no próximo dia 30 de Março. Tendo em conta que a notícia foi publicada ontem, teria sido sábio e altamente recomendável a organização ter divulgado esta meritória iniciativa com maior antecedência. É aderir e divulgar faxavor!