Faina videomusical #5

.
.
Django Django: «WOR» (real. Noisey)

É difícil apontar defeitos a esta espécie de documentário videomusical filmado na Índia, a não ser o facto de ser extremamente similar a um que foi filmado há meia-dúzia de anos na Figueira da Foz. Deixo os dois de seguida para ver se concordam comigo ou não.

Bitting Elbows: «Bad Motherfucker» (real. Ilya Naishuller)

Este vídeo é o segundo tomo de uma série intitulada Insane Office Escape criada por Ilya Naishuller e Sergey Valyaev, cujo primeiro capítulo remonta a 2011. A ideia não é nova (ver este clássico por exemplo), mas a execução é de tirar o fôlego ao espectador mais prevenido e remete de imediato para a experiência de um tipo peculiar e muito popular de videojogos: os first-person shooter. Fabuloso.

.
Justin Timberlake: «Mirrors» (real. Floria Sigismondi)

2013 está a marcar um regresso cheio de vitalidade por parte de uma das figuras mais importantes do universo videomusical das duas últimas décadas: a realizadora Floria Sigismondi. Depois do segundo vídeo que marca o auspicioso regresso de David Bowie, ei-la de novo com mais um registo épico desta vez ao serviço de outra grande estrela que não lançava um disco há uma série de anos: Justin Timberlake. Curiosamente, os dois vídeos partilham a mesma obsessão em torno da passagem do tempo e da forma como o filtramos através das memórias. Que a Floria tenha tido a oportunidade de explorar o mesmo conceito num tão curto período de tempo com a música de duas das maiores estrelas musicais da actualidade é um feito digno de nota. E de aplauso.

Foals: «Late Night» (real: NABIL)

A este ritmo, os Foals arriscam-se a ser a banda com os melhores vídeos musicais de 2013. E, coisa rara, as canções do novo disco da banda britânica estão à altura da empreitada.

Anúncios

Faina videomusical #2

.
.
Foals: «My Number» (real. Us)

É impossível ver este prodígio de animação videomusical e não pensar de imediato na célebre capa de 1975 dos The Who. Isto anda tudo ligado.

.
Local Natives: «Heavy Feet» (real. Ben Reed)

De longe, o meu favorito da semana. E fico-me por aqui.

Suuns: «2020» (real. Sabrina Ratté)

O recurso a efeitos estroboscópicos passíveis de induzir epilepsias foi uma prática relativamente comum no formato videomusical até a MTV ter começado, em meados da década de 90, a recusar a sua transmissão por receio de ser processada por telespectadores fotossensíveis. Quando trabalhei para o canal, lembro-me que todos os vídeos tinham de passar pelo denominado Teste de Harding antes de poderem ser integrados na grelha de programação. Nos últimos anos, com a convergência do formato para as plataformas digitais, este efeito especial voltou a ganhar uma elevada popularidade (de resto, lembro-me que o primeiro vídeo com strobbing a ter sucesso na Web apesar de ter sido recusado pela MTV foi esta pequena obra-prima de Chris Cunningham para os The Horrors). Tudo isto apenas para vos dizer que têm aqui mais uma boa oportunidade para apurar se são, ou não, epilépticos.

Justin Timberlake (ft. Jay-Z): «Suit & Tie» (real. David Fincher)

Um dois em um irresistível: o regresso de Timberlake e Fincher ao nosso convívio videomusical. Um exercício de estilo irrepreensível, a preto a branco, que exala bom-gosto e uma dose equilabrada de sofisticação. Doug Stern escreveu um post bem interessante sobre como este vídeo entra em diálogo com o resto da obra videomusical de David Fincher.

Jim James: «A New Life» (real. Mimi Cave)

Já é um dos meus temas favoritos do ano e o vídeo está a altura desta muito aguardada estreia a solo do líder dos My Morning Jacket.